Cotidiano

Laboratório francês disponibiliza antimalárico contra coronavírus

O grupo Sanofi anunciou nesta quarta-feira (18) que pode disponibilizar imediatamente milhões de doses do remédio antimalária Plaquenil (Cloroquina no Brasil). Segundo o laboratório francês, o volume oferecido poderia tratar potencialmente 300 mil casos de doentes com o novo coronavírus, depois que testes indicaram que a cloroquina dá bons resultados contra o Covid-19.

O estudo realizado por uma equipe médica de Marselha, no sul da França, é encorajador, disse um porta-voz da Sanofi. O laboratório também indicou que está disposto a trabalhar com as autoridades francesas para “confirmar esses resultados”.

A cloroquina, remédio indicado normalmente no tratamento da malária, poderia ajudar no desaparecimento do vírus, afirmou na segunda-feira (16) o professor Didier Raoult, especialista em doenças infecciosas e diretor do Instituto Mediterrâneo de Infecção de Marselha. Ele realizou a pesquisa em 24 pacientes com Covid-19. Seis dias após terem começado a tomar o antimalárico, o vírus tinha desaparecido em 75% deles.

Com o aval das autoridades franceses, novos testes serão realizados por uma outra equipe independente. “Por enquanto, não temos nenhuma prova cientifica de que o tratamento funcione”, antecipou a porta-voz do governo, Sibeth Ndiaye.

Vários especialistas pedem prudência enquanto pesquisas mais aprofundadas não comprovem a eficácia efetiva da cloroquina contra o coronavírus. Eles alertam sobretudo para os efeitos secundários do remédio, principalmente em casos de um uso excessivo.

Pesquisa chinesa

Um primeiro estudo clínico foi realizado e publicado por três pesquisadores chineses na revista BioScience Trends. A pesquisa chinesa foi feita em mais de 10 hospitais de Wuhan, berço da epidemia de Covid-19, Pequim e Xangai, para medir a eficiência da cloroquina no tratamento de pneumonias associadas ao coronavírus.

“Os resultados obtidos até agora, em uma mostra de mais de 100 pacientes, demonstraram que o fosfato de cloroquina é mais eficaz que o tratamento recebido por um grupo comparativo para conter a evolução da pneumonia”, diz o estudo. Também para “melhorar o estado dos pulmões, para que o paciente volte a ter resultado negativo ao vírus e para diminuir a duração da doença”, completa. O artigo foi assinado pelos professores Jianjun Gao, Zhenxue tian e Xu Yang, da Universidade de Qingdao e do Hospital de Qingdao.

“Nós já sabíamos que a cloroquina era eficiente in vitro contra o novo coronavírus. A avaliação clínica na China confirmou”, explicou na época o professor Raoult. “Talvez o tratamento dessa infecção seja o mais simples e mais barato de todas as infecções virais”, afirma o pesquisador, envolvido na detecção do novo coronavírus na França.

Baixo custo

A cloroquina é um medicamento de baixo custo e sem risco, utilizado há mais de 70 anos.

De acordo com os pesquisadores chineses, um tratamento de 500 mg de cloroquina por dia durante 10 dias seria suficiente. “Esse tratamento, que não custa praticamente nada, é uma notícia é extraordinária”, disse o professor Raoult, para quem o antimalárico deve ser privilegiado à pista da vacina, que demoraria mais a ser disponibilizada.

O laboratório francês Sanofi também trabalha no desenvolvimento de uma vacina e anunciou na última sexta-feira (13) a criação de um fundo para apoiar os esforços de pesquisas das equipes dos hospitais públicos de Paris na luta contra o coronavírus.

Share:

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.