360º

Morre Jorgina de Freitas, condenada por fraude histórica do INSS

Idosa de 71 anos estava internada desde dezembro, quando sofreu um acidente de carro; hospital afirmou que o veículo capotou

A ex-advogada Jorgina de Freitas morreu aos 71 anos na terça-feira (19) em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Ela estava internada no Hospital Municipal Adão Pereira Nunes desde dezembro do ano passado, quando sofreu um acidente de carro. A unidade de saúde afirmou que o veículo capotou.

Jorgina foi responsável pela maior fraude ocorrida no Brasil contra a Previdência Social — um esquema de desvio de verbas de aposentadorias estimado em US$ 500 milhões. Segundo a Procuradoria-Geral do INSS, o prejuízo chegou a quase R$ 2 bilhões. O esquema ficou conhecido como “escândalo da previdência”.

Em 1992, a ex-advogada foi condenada a 14 anos de prisão, mas ficou foragida até 1997, quando foi encontrada na Costa Rica e extraditada no ano seguinte para o Brasil. Ela então foi presa em 1998 e, em 2001, teve o registro profissional cassado pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).  Em junho de 2010, uma sentença declarou extinta a pena e Jordina foi solta, após passar 12 anos na cadeia.

Share:

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.