Cotidiano

Trabalhadores dos Correios fazem paralisação nacional na segunda, dia 12 de março

Os trabalhadores dos Correios fazem uma paralisação nacional no dia 12 março contra alteração no Acordo Coletivo de Trabalho vigente, com validade até o dia 31 julho. O Acordo Coletivo foi assinado pelas duas partes (empresa e representação dos trabalhadores) e foi homologado pelo TST (Tribunal Superior do Trabalho), porém a direção dos Correios entrou com um pedido de dissídio no TST pedindo alteração na cláusula que trata do Plano de Saúde dos Trabalhadores, com a finalidade de excluir pais e mães do plano. Além disso a empresa suspendeu férias, ao mesmo tempo em que promove demissões através de Planos de Demissão Incentivadas.

“Temos um acordo assinado pela empresa e homologado pelo TST. Agora querem mudar antes do prazo de validade do acordo. Isso é quere mudar o resultado de um jogo depois do jogo ter terminado, o resultado aceito por todos e a súmula assinada” afirma a presidente do SINTECT-MS (Sindicato dos Trabalhadores dos Correios de Mato Grosso do Sul, Elaine Reginal Oliveira. “O que vale então um Acordo Coletivo homologado pelo TST? O desmonte das leis trabalhistas vai chegar ao ponto dos Acordos Coletivos não terem mais validade legal nenhuma?”, questiona.

 Segundo Elaine, a paralisação nacional é uma deliberação da Federação Nacional da categoria e visa defender o Acordo Coletivo. “Nossos direitos estão ameaçados. Lamentamos o transtorno que toda paralisação traz para a população. Mas quem defenderá nossos direitos por nós?”

Ela aponta também a contradição do discurso da empresa. “Acabam de revogar as férias de todos os funcionários. Há falta de pessoal em todos os setores. Os atrasos aumentam. Mas ao mesmo tempo a empresa promove demissões. De 124 mil trabalhadores, os Correios tem hoje cerca de 106 mil.  Estão desmontando uma estatal que sempre funcionou a contento, estão desmoralizando deliberadamente os Correios para justificar a sua privatização. O que o governo Temer está fazendo é um crime contra o patrimônio da nação para atender interesses empresariais privados”.

A paralisação tem início à zero hora do dia 12 de março.

Share:

Leave a reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.